Montealtense lança clipe de seu primeiro álbum
Monte Alto Agora
Clube FM29/03/2018 - 11:01
Montealtense lança clipe de seu primeiro álbum
Maicon A’kinn em imagem de show/Foto: Victor Natureza

 

Maicon A’kinn fez 29 anos na sexta, 23, quando lançou o clipe de “Constantine”, primeira faixa publicada de seu EP “Meridianos.”

Como muitos moleques de bairros pobres, começou com a Cultura de Rua, do Hip-Hop, quando era moleque.

"Tinha uns 12, 13 anos, tá ligado? Meu primo, o Bboy Gil, que teve o nome conhecido no estado de SP inteiro, ele foi o mentor de tudo o que hoje eu sou. Me ensinou os elementos do Hip-Hop - ele dominava profundamente, só não vi ele sendo DJ. Com ele aprendi muitas linguagens da cultura de rua".

Aos poucos, mergulha na cultura Hip-Hop, participando de grupos como o Resgate Premeditado, de RAP Gospel. Após 2 anos nessa vereda, Maicon se desprendeu da mensagem religiosa. “Cara, nessa época, as rimas e ideias começaram a se elucidar de uma vez para mim. Foi rápida essa construção social do que sou e faço hoje."

Frequentando, desde bem jovem, eventos de RAP, ele conheceu o ápice do intercâmbio desses saberes culturais no interior paulista, com grandes shows e momentos de intensa circulação do Hip-Hop - Monte Alto, no final dos anos 90 e início de 2000 foi importante celeiro, recebendo desde nomes de âmbito nacional até grupos da região que marcaram história.

“De Monte Alto, o Família HF o Complexo 3L, esses caras da Lagoinha eram foda. Os caras mandavam demais! A gente era moleque e queria ser eles. Eles representavam muito”.

Daquela época, muitos disseram a Maicon que ele podia fazer seu próprio caminho: “o Marquinho Black, o Feijão, gente que influenciou e me deu confiança, dizendo que eu podia fazer o meu som, a minha ideia”.

Nesse movimento, Maicon se descobriu. "Até então, achava que a parada toda acontecia em grupos. Mas vendo outras referências, vi que podia desenvolver o meu também".

Há 4 anos, Maicon foi para São José do Rio Preto. Ali participou de um coletivo, onde desenvolvia suas letras também para integrar o variado e rico repertório do projeto Bamba Bróder, onde ficou cerca de 3 anos.

"Foi muito rico, muito valioso. Os caras ali foram o divisor de águas na minha construção artística. A banda era uma mistura de gêneros monstruosa... passei a ter contato com o samba, com a MPB, aprendi muito".

Cacareco Clã
Por questões financeiras - ficou sem trabalho por lá - Maicon voltou a Monte Alto. Aí já era um artista independente em busca de seu espaço. A parceria com Brunão, a participação na criação do Cacareco Clã forjou o desdobrar de valores e da música que se fez pela cidade que circulou pela região, no passado recente.

"É um bagulho que deu muito certo e está dando certo". Maicon, hoje, embora não tenha se desligado do Clã, está mais afastado, em busca da sua própria linguagem e de sua ambição pessoal - viver da música que produz.

"O Cacareco é muito foda, essa construção conjunta. Conseguimos trazer um edital do ProAC (Programa de Ação Cultural do Estado de S. Paulo) para cá, com um projeto escrito por mim, pelo Bruno e pelo Yuri, com o auxílio importante do (Luiz) Mozzambani, na linguagem técnica... a sensação é demais!".

O Cacareco é parceria para todo sempre, mais perto ou mais longe dele. A frase ressoa a cada comentário de Maicon.

Semana Hip-Hop de Bauru
Tenho muito orgulho de ter sido convidado a participar da Semana de Hip-Hop de Bauru, o maior evento da América Latina no gênero. É algo que guardo no currículo e no coração, já querendo estar lá de novo.

EP “Meridianos”
O primeiro trabalho solo de Maicon é o Meridianos, que nasce com a veiculação da música “Constantine”.

“Meridianos...” – Maicon pausa a fala, mede a reflexão, e solta: “para mim é uma parada muito louca. Muito do que escrevo surge da crise existencial – e sei que quem escreve se identifica com isso, entende esse lance. Claro que se você me der um tema, eu construo. Mas a crise existencial move mais a criação e Meridianos foi essa brisa”.

“Quero que as pessoas pensem, a princípio, que existe essa questão geográfica, das linhas imaginárias. É louco ser algo imaginário e tão respeitado, por ser científico. E olha que louco se a gente analisar que, dentro de um gesto, cabe um meridiano, tá ligado?"

E que gesto seria esse?

"O abraço, tá ligado? O abraço é a fusão dos meridianos. Formamos como um círculo quando nos abraçamos e versos do refrão da música que dá nome ao EP dizem isso:

"Meridianos são traçados a cada gesto, irmão.
Seu Deus é dentro de você.
Cada indivíduo traz em si uma constelação, aí:
Seu Deus, cadê? Seu Deus, cadê?

“Pra mim, Meridiano é a extensão de um gesto, de sentido espiritual, sublime. E eu construo esse EP em cima disso. Ele trata de questões subjetivas, de valores que a sociedade parece ter abdicado. Sei lá, sentidos que parece que se atrofiaram na nossa sociedade”.

Maicon segue a linha: “As pessoas são amargas, são frias. A gente também se perde nisso, tá ligado. Muita coisa nos enfurece e a gente acaba se fechando. Por isso, fazer essa autoanálise é importante, é fundamental, sempre que você se perder, se fechar sem essa humanidade”.



Monte Alto Agora
Compartilhe
Share
Monte Alto Agora



Voltar
Monte Alto Agora
Monte Alto AgoraComente esta notícia
Seu Nome: Seu e-mail (opcional):
Comentário:  
Enviar dadosCarregando
Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluidos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

Nenhum comentário para esta notícia ainda. Seja o primeiro a comentar!
Últimas notícias Últimas notícias


Monte Alto Agora  Tel.: (16) 3241-3959/ 9994-1303 Monte Alto Agora contato@montealtoagora.com.br Siga Monte Alto Agora no TwitterVeja nossa página o Facebook Página inicial | Quem somos | Anuncie | Contato
É proibida a reprodução do conteúdo dessa página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso sem autorização escrita DOS ADMINISTRADORES DO PORTAL DE NOTÍCIAS Monte Alto Agora © 2018   site: an|design